Guia Money › MEI: O que eu preciso para me formalizar?

EMPREENDEDORISMO

MEI: O que eu preciso para me formalizar?

Ana Rosa
Escrito por Ana Rosa em agosto 2, 2019
MEI: O que eu preciso para me formalizar?
Junte-se a mais de 1000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Em 2009 o MEI foi desenvolvido através de um projeto do governo brasileiro.

Com o objetivo de formalizar trabalhadores que atuavam como autônomos: o microempreendedor individual MEI.

O objetivo era legalizar milhões de profissionais, que começariam a pagar impostos.

Em contrapartida, esses indivíduos passaram a ter direitos trabalhistas e previdenciários, como licença maternidade, auxílio doença, pagamento de INSS etc.

No entanto, ainda tem muita gente com dúvidas sobre o MEI.

Neste poste você tudo o que você precisa e quais as vantagens de ser um microempreendedor individual.

O que é o MEI?

O MEI é um indivíduo que trabalha como autônomo, mas se legaliza para ser um pequeno empresário.

Essa pessoa passa a ser enquadrada no regime de tributação do Simples Nacional, ficando isento de tributos federais, como PIS, Cofins, Imposto de Renda, entre outros.

No entanto, é necessário pagar um valor mensal para ser enquadrado como MEI.

O valor em 2016 é de R$ 45 para quem trabalha no comércio ou na indústria, de R$ 49 para a prestação de serviços e de R$ 50 para os segmentos de comércio e serviços.

Esse valor é direcionado para ao ICMS ou ao ISS e à Previdência Social.

Como ser um MEI?

Para ser um microempreendedor individual é necessário fazer o cadastro no Portal do Empreendedor.

O registro da microempresa é feito na hora e o trabalhador já sai com o CNPJ em mãos.

O cadastro solicitará algumas informações pessoais, como CPF, data de nascimento, endereço da empresa etc.

Nesse sentido, é importante destacar que endereços residenciais podem ser cadastrados no MEI, mas é recomendado verificar essa questão diretamente na Prefeitura.

Quais são os requisitos para ser um microempreendedor individual?

Existem alguns critérios para poder fazer o cadastro como MEI. O principal é ter um faturamento de até R$ 60 mil por ano, ou seja, R$ 5 mil por mês.

Além disso, o trabalhador não pode ter outra empresa nem ser sócio.

Outra questão importante a se avaliar são as profissões que podem ser cadastradas como microempreendedor individual.

Há aproximadamente 400 que permitem o registro como MEI…

No entanto, se a sua profissão não estiver disponível, é necessário se formalizar como Sociedade Limitada ou Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI).

Existem também algumas situações em que o indivíduo é impedido de fazer o seu cadastro como MEI.

Isso ocorre quando há informações diferentes daquelas cadastradas no CPF ou quando o sistema verifica que aquele usuário já é dono ou sócio de outra empresa.

Quais são os direitos que tenho como MEI?

Como o MEI está formalizado, ele tem direitos trabalhistas e previdenciários, além de outras possibilidades que ajudam o trabalhador autônomo.

Uma delas é a emissão de nota fiscal.

Nesse sentido, vale a pena destacar que o Portal do Empreendedor formaliza nas esferas federal e estadual; para se formalizar perante a esfera municipal é necessário ir à Prefeitura e fazer o Cadastro de Contribuinte Mobiliário (CCM).

Em relação aos direitos trabalhistas e previdenciários, o microempreendedor individual tem direito a aposentadoria, auxílio doença, licença maternidade etc.

O trabalhador também pode ter um colaborador.

Se o negócio crescer, o que deve ser feito?

Se o seu negócio crescer e o faturamento ultrapassar os R$ 60 mil ao ano, haverá uma taxação relativa ao valor excedente, sendo que este não deve ficar acima de R$ 72 mil.

No ano seguinte, o sistema automaticamente passa essa empresa para microempresa.

Ou seja, o trabalhador deixa de ser um microempreendedor individual.

É importante destacar que o valor retroativo é cobrado de apenas uma vez, o que pode ser complicado para algumas empresas.

Assim, o recomendado é que, quando o MEI ficar acima de R$ 60 mil por ano, o empresário já procure a mudança de categoria da empresa, evitando cobranças excessivas.

Em conclusão Isso pode ser feito diretamente pelo Portal do Simples Nacional.

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Junte-se a mais de 1.000 pessoas